Estamos no Festival Gastronômico de Curitiba

Está será nossa estreia no Festival Gastronômico de Curitiba, organizado pela TOP VIEW.

Festival Gastronômico de Curitiba
Festival Gastronômico de Curitiba

Entre os dias 12 de abril e cinco de maio o Mia Trattoria participa, pela primeira vez, do Festival Gastronômico de Curitiba, organizado pela Top View.

Na 2ª edição do Festival Gastronômico de Curitiba, a grande estrela é ela: a gastronomia curitibana.

Premiada por sua grandiosidade, aclamada por seu público, a gastronomia curitibana reúne criatividade, técnica, ingredientes de qualidade, os melhores chefs, afeto e muita ousadia para continuar inovando e surpreendendo a cada novo cardápio.

Além da nossa trattoria, outros 39 restaurantes da capital paranaense oferecem menus completos e exclusivos, com preços fixos de R$ 69,90, R$ 89,90, R$ 109,90 e R$ 129,90.

Conheça todos os pratos e restaurantes participantes, clicando AQUI.

MENU EXCLUSIVO

E, para nossa estreia nesse grandioso e delicioso festival, criamos um menu exclusivo que está simplesmente perfeito. Receitas que combinam sabor, textura e aroma em uma viagem deliciosa pelo Sul da Itália. Para o Festival Gastronômico de Curitiba, vamos participar com entrada, prato principal e sobremesa por R$ 109.90 por pessoa, no almoço e no jantar.

De releituras de pratos italianos de dar água na boca a criações inusitadas que vão ficar na memória, o Mia Trattoria propõe uma experiência gastronômica completa para todos aqueles que, assim como nós, apreciam a boa comida.

ENTRADAS

  • Batuta di Manzo (mignon batido na ponta da faca, cebola roxa, azeite, alcaparras e mostarda de cremona) OU Polenta trufada (cremosa e saborosa polenta com salsa trufada, parmigiano e cogumelo).

PRINCIPAIS

  • Bife Wellington Mia (filé envolto e massa de pizza com duxelles de cogumelo, presunto de Parma e mostarda amarela, guarnecido com vegetais e demi glacê) OU Doppio Ravioli (ravioli duplo com recheio de ossobuco e ricota com limão-siciliano e nozes, salteado em uma emulsão de manteiga e sálvia)

SOBREMESAS

  • Café, per favore! (Chocolate fondant, mousse de nocciola e granita de café) OU Gelado de Parmiggiano (sorvete cremoso de queijo parmesão, calda de doce de leite artesanal e crocante de amêndoas)

Aguardamos você para novas e deliciosas experiências aqui!

Confira algumas curiosidades do Bife Wellington.

As informações são do PALADAR.

Neste clássico dos anos 1960, uma peça do nobre filé mignon é coberta com creme de cogumelos e embrulhada em camadas de presunto cru e massa folhada amanteigada antes de ser assada. Por fora, a massa tem de ficar crocante e dourada, sem sinais do suco da carne, a qual, por sua vez deve estar suculenta e mal passada.

E é difícil equalizar todos esses pontos: você tem de cozinhar duas coisas ao mesmo tempo, o bife e a massa, os dois à perfeição – não é tarefa fácil, mas, sim, dá para ser feita. Esta repórter é a prova viva disso.O sucesso de um bife wellington perfeito está na atenção aos detalhes. Mais exatamente, no equilíbrio dos parâmetros de uma equação que envolve temperatura (dos elementos e do forno) e paciência (os tempos de cada etapa devem ser cumpridos à risca). Basta seguir rigorosamente as regras que você conhece a seguir – resultado de dias de testes em uma cozinha de casa comum.

Ou seja, é possível.

E garantimos: vale a pena dominar a arte do wellington.

Afinal, a receita é digna de uma noite de rei, ou melhor, de duque.


O bife wellington homenageia o comandante britânico que, apoiado pelo general prussiano Gebhard von Blücher, derrotou Napoleão Bonaparte na Batalha de Waterloo, em 1815.Chamava-se Arthur Wellesley (1769-1852), nasceu na Irlanda e morreu na Inglaterra, aclamado como herói e soberbamente recompensado. Recebeu o título de primeiro duque de Wellington – daí o nome do prato –, graças às vitórias contra as tropas napoleônicas. Pela extraordinária força física e inflexível vontade, ainda ficou conhecido como o Duque de Ferro.


Há quem diga que os dias de glória da receita ficaram para trás, mas fotos e vídeos no Instagram mostram o contrário. O fato é que, cafona ou não, faz bonito na mesa, e é delicioso – se você acertar, claro.